15.5.06

Tiros com silenciador


O director-adjunto de informação da SIC, acicatado pelos rumores em torno do novo livro de Manuel Maria Carrilho, decidiu começar a atacar a obra com todo o fogo de artilharia da «sua» SIC-Notícias na noite de quarta-feira passada, pelo menos um dia antes de o dito livro ser apresentado publicamente e lhe chegar então às mãos. O que, se constitui um procedimento nada defensável numa pessoa normalmente sensata, é acção digna de procedimento severo quando levada a cabo por um jornalista no exercício da sua profissão - é recente o exemplo do crítico de teatro do New York Times que foi imediatamente despedido após o jornal ter publicado a sua crónica sobre uma peça de teatro que... fora cancelada à última hora.

Coisas dessas, porém, só acontecem ainda noutros países. No nosso alegre jardim, os (maus) exemplos vêm de cima: e é assim que o director-adjunto, longe de assumir os erros próprios, ainda hoje vem assinar uma «crónica», publicada no sítio internet da estação que o emprega, a qual se inicia, singelamente, com a frase «Já se disse quase tudo sobre o livro de Manuel Maria Carrilho».

É claro que a frase não foi escrita com propósitos de boa fé, ou de adequação à realidade, pois qualquer pessoa sã é capaz de discernir que, três dias após o lançamento de um livro, tudo está ainda por dizer sobre ele; e, no caso presente, que há ainda muitas ilações a extrair.

Trata-se, pois, de um tiro com silenciador, de uma jogada de ocultismo inquisitorial, de uma tentativa desajeitada de esconder o óbvio; atitude tanto mais bizarra quando vinda de alguém que deveria respeitar o, e mesmo pugnar pelo respeito do, Código Deontológico da profissão que exerce. Código esse, aliás, que sempre foi taxativo na sua exigência de Rigor, Honestidade e Isenção, tal como os bons costumes e a civilidade sempre exigiram que se pensasse minimamente antes de se emitir qualquer opinião.

O texto de Arthur Schopenhauer que recentemente traduzi para português - «A Arte de Ter Sempre Razão» (editado esta semana pela Frenesi) - surge-me assim mais actual do que antes, bem como as máximas do sábio alemão, desta vez aplicadas a um reino televisivo cujos pés de barro se desfazem à vista de todos.

Dizia ele que «As gentes comuns têm um profundo respeito pelos especialistas de todo o género. Ignoram que a razão pela qual se faz profissão de uma coisa não é o amor dessa coisa mas do que se lucra com ela - e que quem ensina alguma coisa raramente a conhece a fundo; pois se a estudasse como deveria, em geral não lhe restaria tempo para ensiná-la». E, passado um século e meio, os factos continuam a dar-lhe razão.

Logo que possível voltarei aos livros: o de Manuel Maria Carrilho, e o de Schopenhauer.

4 comentários:

Ferma disse...

Caro JOPP,
O referido responsável da SIC parece esquecer-se, ao defender tão angelicalmente o dever de transmissão do "não aperto de mão", da opção da estação televisiva no sentido de substituir conteúdos da campanha (televisiva e não só) de Carrilho por esse facto, repetido à exaustão e omitindo outros, mais relevantes politicamente.

Neste órgão de informação, como em muitos outros aqui do luso território, o equívoco reside, também no facto de não assumirem, ao contrário do que acontece, por exemplo em muita imprensa americana, o seu alinhamento por determinadas opções políticas.

Claro que o alinhamento não isenta de objectividade. MAs sinceramente, o que vejo com demasiada frequência é a venda de gato por lebre. O gato sendo a imparcialidade, a lebre, a manipulação tendenciosa da informação.

JOPP disse...

Parece-me que o/a Ferma deveria dispôr o gato e a lebre da maneira inversa. Mas são opções, e esta aqui fica, na sua inteireza.

Ferma disse...

Pois tem toda a razão. Coitada da lebre, que tão desvalorzada ficou...por engano, não por opção.

P.S. É "a" Ferma

Roteia disse...

v. Ultraperiférico, "Manuel Maria Carrilho vs. Media", c/ link para este
artigo do Planaltos.